Curitiba, 16 de Janeiro de 2021 (21h21min)
     
 Página Inicial
 Composição
 Institucional
 Discursos
 Artigos
 Campanhas
 Eventos
 Parcerias
 Monografias
 Projetos
 Notícias
 Cursos Relacionados
 Contato
 Links
 
 Entrar
 
 
:: Estatísticas do Site :.

  • Este site foi acessado 51.352 vezes (Saiba mais...).

  •  
     
    Fale Conosco


    Coloque aqui sua opinião, sugestão ou reclamação sobre este site.



     
     
    Entenda nossa logo.


     
     

    Campanha da Escola Judiciária Eleitoral do Paraná >> Cartilha orienta eleitor contra troca de voto por acesso a serviços saúde

    Cartilha orienta eleitor contra troca de voto por acesso a serviços saúde
    08/07/2010 10h55min
     
    Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral quer informar o eleitor sobre o Sistema Único de Saúde e como denunciar a prática ilegal

    07/07/2010 | 13:48 | Agência Brasil atualizado em 07/07/2010 às 14:48


    Para orienta o eleitor sobre a venda de voto em troca de acesso a serviços de saúde, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) lançou nesta quarta-feira (7) a cartilha "Voto não Tem Preço. Saúde é seu Direito". A ideia é municiar o eleitor de informações referentes ao funcionamento do Sistema Único de Saúde e informar a população sobre como e onde denunciar a corrupção (confira a cartilha aqui).

    A cartilha cita formas mais usuais de se cometer a corrupção na saúde como a exigência de título de eleitor para se receber atendimento médico. O texto esclarece que a apresentação do título não pode ser obrigatório em postos de saúde ou hospitais para receber atendimento, medicamentos, qualquer bem ou serviço de saúde.


    Segundo a presidente da União Nacional dos Auditores do SUS (Unasus), Jovita José Rosa, existem vários tipos de corrupção eleitoral na saúde. “O desvio da verba pública da saúde significa a morte. É importante fazer a denúncia no Ministério Público. Há casos de parlamentares que têm casas de apoio para manter pacientes do SUS que vieram se tratar nas capitais”, exemplifica

    O diretor do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral e integrante da Comissão Brasileira de Justiça e Paz da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), Carlos Moura, ressaltou a importância da sanção da Lei da Ficha Limpa. A norma proíbe a candidatura de políticos condenados por órgãos colegiados.

    “O movimento acaba de ser vencedor no trabalho realizado com a sanção do Ficha Limpa e agora inicia uma nova etapa no combate à corrupção na saúde. Saúde é vida e precisa ser tratada com toda a dignidade. É preciso que toda a sociedade se envolva na fiscalização dos recursos da saúde”, destaca.

    Para o presidente da Conselho Nacional da Saúde, Francisco Batista Júnior, a corrupção é fruto da impunidade por isso é preciso combatê-la e denunciar as pessoas envolvidas.

    “A saúde é um dos campos mais férteis para ocorrer a corrupção. A corrupção existe nas mais variadas facetas, desde profissionais que utilizam de sua função para se beneficiar até o atendimento de interesses particularizados”, salienta.


    Voltar
     
     
    Página em Desenvolvimento
     Desenvolvido pela Seção de Análise e Desenvolvimento de Sistemas (SADS-TRE/PR)